Sonhando como trovador!

                                                                                         Fernando Sousa.
Tenho no bolso guardada
A minha história passada, 
Quando me fiz menestrel,
Que das noites fazia dossel.

Trovava na estrada da vida,
Cantando sempre a querida,
Aquela que única e definitiva,
Fez-se-me a parceira e dIVA.

Um trovador muito diferente
Que no cantar ficava ausente,
Pois mudo, só para acompanhar, 
Murmurando agradecido ao luar.

Não tocava, pois sem um violão,
Dedilhava com os dedos da mão,
Tendo a estesia por companheira.
Era  feliz na  sua própria maneira.

Hoje este filme eu revejo,
Em suave melopeia adejo,
Sorrindo sem poder repetir.
O sonhador que fui, sem ir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s